Brasileiro ainda acha que viajar é coisa de rico – Fonte Revoando.com

Mesa de bar, conversa de whatsapp ou elevador. “Como está fulano?” “Ah, Fulano!? Tá super bem de vida, só anda viajando!” Quantas vezes você não ouviu algo assim? E será mesmo que precisa ser bem de vida para viajar?

Brasileiro ainda acha que viajar é coisa de rico.

Curta a fanpage do blog: www.facebook.com/revoando

_

Tent illuminated at night from inside
Foto: Stockmedia.cc

Tenho certeza do que o que eu vou falar aqui vai causar polêmica. Afinal, está arraigado no consciente coletivo do Brasileiro que viajar é coisa de rico. Não serão poucos os que lerão (mas não interpretarão) e falarão que “pobre” não tem tempo nem dinheiro para viajar. Ou que eles não são pobres, mas não dá para viajar por que só rico pode. E não, não é bem assim.

_

Um pré-conceito que tem origem.

A ideia de que quem viaja é rico tem muito da época colonial brasileira e se prolonga até uns 30 anos atrás. Era normal que as pessoas endinheiradas enviassem seus filhos para estudar nas escolas europeias. Aliás, tudo que vinha do velho mundo era considerado chique (e ainda parece ser) – menos os seus imigrantes. Então = ir para a Europa = ser rico. Pelo menos eram o que pensavam as pessoas. Mas mesmo assim não era de todo verdade.

_

carriage
Viajar, especialmente de trem e depois de avião, era considerado como coisa de gente abastada.

_

Isso não impedia, porém, que pessoas de outras classes pudessem viajar. É claro que era muito mais difícil para quem não tinha posses. Mas o conceito de primeira classe e segunda classe existe desde as primeiras viagens de trem e de barco. Copiou? No Titanic, por exemplo, existiam três classes, e a terceira pagava cerca de US$ 620,00 para uma passagem entre Southampton (Inglaterra) e Nova York. Hoje em dia essa viagem, se for feita de avião, custa em média US$ 500,00. Ou seja, o preço não é tão mais baixo. O valor é ainda maior para a atual viagem de transatlântico entre os dois destinos: US$ 1.000,00.

_

Revolução dos Transportes – O avião

O avião significou uma grande mudança na forma como vemos o mundo – ele o “diminuiu”. O mundo ficou muito menor. A revolução foi eficiente para reduzir o tempo médio entre as distâncias de dois destinos. A ponto de que uma viagem de São Paulo ao Rio, a cavalo, podia durar quatro dias no tempo de D. Pedro, e hoje, de São Paulo a Tokyo via avião, se demora em média 20 horas.

_

anos 50
Nos anos 50, viajar de avião era um luxo para poucos. Essa era a classe executiva.

_

Mas justamente pelos preços praticados nas décadas de 50 a 80, aliados a um serviço incipiente – uma novidade, o avião foi considerado um transporte caro. Com isso, as pessoas continuaram a associar viajar com o fato de ser endinheirado. Claro, isso também era generalizar demais, porque não era só de avião que se viajava. Mas a pecha pegou e sobrou pra outros transportes, a ponto de que se você falasse que iria de avião, ou até mesmo ônibus, do Rio a Salvador, ainda assim achariam que você tinha dinheiro de sobra.

Na década de 90, as coisas mudaram: ficou muito mais barato e acessível viajar de avião no Brasil. Destinos começaram a ser vendidos por R$ 50,00, preços até mais vantajosos que passagens de ônibus. O exterior virou uma realidade para muita gente. Ir para fora do país também ficou mais em conta, e até hoje, apesar do dólar caro, é possível encontrar uma viagem de ida e volta aos Estados Unidos por menos de 1.000 reais, quase quatro vezes menos do que aquela passagem do Titanic de terceira classe.

_

“Pobre não viaja”

Esse é um ditado que muita gente diz, e muita gente acredita. Eu próprio, durante anos, achei que para fazer qualquer viagem tinha que ter muito dinheiro. Isso foi logo no começo na internet (pra mim), lá pelos idos de 2000, 2001. Mas para falar a verdade essa cabeça dura durou até alguns anos atrás – até 2012. Antes disso, eu via os meus amigos da faculdade viajando e pensava – como eu desejaria ser rico e viajar para os Estados Unidos ou a Europa igual a eles, mas eu mal tenho para guardar.

chavesanimado6x05
Foto: Chaves animado/divulgação

Pois é. Mas depois eu resolvi pesquisar um pouco e conversei com outras gentes. Pensei: por que não?

Em 2012 eu resolvi arriscar, fiz um empréstimo e uma viagem destas – mesmo sendo um estagiário que ganhava pouco mais de um salário mínimo. Paguei três anos de empréstimo, não gastei com muita coisa em San Diego, e vi que não era impossível viajar – na verdade, com o financiamento que eu fiz, eu poderia ter ficado cerca de três a quatro meses, ao invés de um mês que fiquei. O que faltou? Informação. Soubesse muita coisa que eu sei hoje, eu poderia até lucrar com isso.

Não precisa ser rico para viajar. Precisa ter informação

Mas o Brasileiro é elitista. Ele não acha que precisa de informação. Mas sim, dinheiro. E eu digo que o brasileiro é elitista por que ele acredita firmemente na existência de castas: alguns lugares, restaurantes, atrações e bairros são feitos para serem frequentados por quem pode, por quem é rico. Até nós, que não somos abastados, somos orientados a acreditar que existem certos lugares que não devemos ir a tal lugar por não se “encaixar”. E quem não se lembra dos rolêzinhos no Shopping?

Isso também estava um pouco arraigado em mim. Lembro até hoje da neura que minha mãe tinha (que deus a tenha) quando qualquer pessoa visitaria a casa. Parecia que iriamos receber o Papa – ela queria a casa toda limpa e usava os melhores pratos, tudo para parecer que nós tínhamos uma vida muito melhor do que a nossa realidade. Mas depois a gente voltava a comer miojo em todas as refeições.

Quer uma prova mais concreta!?  Vou mostrar uma foto.

aeroporto
Rapaz de regata e bermuda no Aeroporto. Na verdade, ele é um advogado. Mas uma senhora viu e postou a foto na internet debochando dele só por que parece pobre. 

Essa foto foi compartilhada na internet por uma professora, que postou a seguinte frase: “aeroporto ou rodoviária?”. Em outras palavras, ela quis debochar do fato de que uma pessoa com regata e bermuda estava no aeroporto, onde não deveria estar. Como se aeroporto fosse um lugar exclusivamente para os ricos. Depois ela se retratou, mas a ingenuidade e a espontaneidade da postagem ficaram para a posteridade.

E o que eu quero dizer com espontaneidade? Que é algo que a maioria dos brasileiros temos dentro de nós e dizemos com tanta naturalidade que esquecemos de questionar: só rico pode viajar?

_

train

_

Viajar não é coisa de vagabundo – histórias inspiradoras.

Como eu disse acima, falta informação. É claro, é muito mais fácil viajar se você tiver dinheiro ou estiver juntando. Mas não quer dizer que, se não tem, não possa fazê-lo. Eu colecionei algumas histórias bem interessantes que talvez inspirem muita gente:

_

050531Nepal_Everest01
O Japonês Seiji Kawasaki viajou o mundo saindo de casa com uma bike e dois dólares. Nesta foto, ele no Nepal. Foto: Divulgação / http://www.feel-the-earth.com/pro.html

_

O Mochila Brasil publicou a matéria de um japonês que saiu de casa com 2 dólares e uma bicicleta e viajou mais de 37 países. Como ele conseguiu fazer isso? Trabalhando nos destinos dele. Ele é mágico. Nessa hora o cérebro de muita gente dá bug. É por que não tem pessoas que não sabem conciliar a circunstância de viajar e trabalhar. Brasileiro, elitista, confunde viajar com férias. E tem mais, acha que viajar é coisa de vagabundo.

A Aline Campbell fez ainda mais: viajou sem nada pela Europa e conheceu trinta países.

Leonardo Macieria saiu viajando pelo Brasil com 70 reais na Carteira e quer ir até o México.

_

Falta informação.

Eu disse e repito que falta informação. Como vocês podem ver, dá para rodear grande parte dos problemas. Basta pesquisar e se empenhar. A internet ajuda bastante – hoje é muito mais fácil do que antes. Entre os meios que facilitam a tarefa de gastar pouco ou nada estão:

– Couchsurfing – dormir no sofá na casa de outras pessoas

– Carona

– Trabalho em troca de moradia e/ou refeição – em hostels, hotéis, fazendas e outros lugares. Sites como o workaway, o helpx e o jobbaticabal são úteis para isso. Em fazendas, o WWOOF.

– Trabalhar como profissional liberal ou vendedor: como o japonês que faz truques de mágica. É possível, por exemplo, ensinar línguas, ou vender itens como artesanato ou alimentos.

– Fazer uma vaquinha virtual

– Vender serviços ou outras coisas pelas internet (em outras palavras, ser um nômade digital).

– Acampar

_

Desafios

É claro que a tarefa não é de todo fácil, até por que, existem vários obstáculos para isso, como a nossa mentalidade elitista, gastos agregados e necessários, como visto, seguro e taxas, mas tudo isso é contornável. Peça para alguem ou algum parente te ajudar a compor renda para tirar o visto. Trabalhe alguns dias ou semanas a mais para tirar o passaporte, que não é barato. Mas importante: corra atrás disso, se for o seu sonho.

_

Conclusão – É normal comprar um carro usado por 30.000 reais, mas se você usar a grana para viajar, é um “vida boa”.

Sim, o brasileiro ainda acha que viajar é coisa de rico. O que mais você ouve é que “mas eu não tenho dinheiro”. Eu acho engraçado e até contraditório que as pessoas arranjam dinheiro para milhares de outras coisas que as vezes são até muito mais caras. E as pessoas movem mundos e fundos para isso. E por que para viajar não? Para não serem tachados de “vagabundos” ou “vida boa”.

Por isso hoje é normal gastar dinheiro num celular de 1.000 reais, pago durante um ano, mas se você gastar a mesma grana para ir a Buenos Aires, tá ostentando.

É normal pagar 30.000 reais em um carro básico com dois anos de uso, mas se você usar o mesmo valor para ficar seis meses na tailândia, vão dizer que você nasceu com a bunda virado para a lua.

Está vencendo na vida quem compra um apartamento de R$ 500.000,00 em 300 parcelas em São Paulo, mas se você pegar este dinheiro, ir para a Tailândia, comprar um apê na praia por R$ 250.000,00, investir e montar um negócio de turismo, você é um “perdido”

Tudo isso você pode revender, mas não nos esqueçamos que você gasta com crédito no celular, gasolina e manutenção do carro as vezes bem mais do que o próprio item. A casa tem IPTU, condomínio, manutenção, etc…

E por último, casar gastando mais de 40.000 reais para um dia é comum, aliás muita gente ainda pode reclamar que o seu casamento é simples demais. Experimente usar a mesma grana pra uma viagem ao mundo. Milionário por votação.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s